Sábado, 17 de Maio de 2008
continuo a soprar...

... em http://perfeitodisparate.blogs.sapo.pt

Apareçam...



publicado por soprodavoz às 18:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 31 de Março de 2008
não há limites

pensei que fosse para mudar, mas continuas na mesma, não sebes mesmo os limites. mesmo pedindo-te por tudo para que me desses o espaço, tu continuas a negar-mo. 

Amigos, tentei criar um novo espaço, mas a vigilância continua, assim não dá, não quero e não consigo. Vou ter de escrever num livro de apontamentos e a cada dois meses queimar o bloco. Há pessoas que não sabem mesmo para, e isso para mim dita o fim.

Com esta brincadeira das espias, acabaste por vencer, estou sozinha. Não posso falar com a gaja LL porque temos escutas no trabalho, não posso falar o telefone ou mandar sms porque tenho o telefone vigiado, o meu computador, apesar de ter password está a ser espiolhado, conversas  no messenger , e os meus blogs. Não sabes mesmo parar, isto só acaba mesmo quando for eu a parar. Privacidade, sabes o que é isso?! parece que não, mas uma falha na tua educação . Fica bem e diverte-te, pode ser que descubras que a vida é bonita quando não se é desconfiado.

Agora sim, foi o último post .


sinto-me: castrada

publicado por soprodavoz às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Março de 2008
fechado!

Acho que já toda a gente se apercebeu que este espaço deixou de ser meu. Por essa razão e por mais milhentas delas ele acaba aqui. Qerem que me cale eu calo-me. No inicio do Blog da existência eu escrevi um poema em que me referia à minha vontade de escrever, e à castração que sofria. Leu mas não percebeu, e continua.

Não houve pretensões que alguma vez isto fosse visto como uma novela da vida real, mas apenas as minhas divagações enquanto pessoa que gosta de escrever. As duvidas que os meus posts vos suscitam não têm de ser esclarecidas , isso era saberem da minha vida tanto como eu, e isso nunca foi a minha ideia. Quanto ao facto de alguém se sentir enxovalhado com as minhas palavras, é um problema só dele. Um problema de memória aliada a uma grande covardia em assumir os seus erros. Contigo a culpa morrerá solteira, assim será feita a tua vontade. Descobri de forma fantástica que a culpa do aquecimento global do planeta até minha é. Coisas fantásticas que eu descubro. Mas sabem, para quem acha que a culpa é minha, e quem tão sabiamente diz que vive casamentos de sonho e que a sensibilidade da mulher acima da média, apenas lhe tenho a dizer, que é igual ao G. Pois meu caro mulher que é mulher, que leu o que eu escrevi, e acha que eu procedi mal e defende o meu marido, isso não é mulher, é algo moldado por si também. Mas sabem, nem sequer vou entrar por aí. Tudo o que aconteceu, foi apenas fruto de uma cabeça doente, que o seu objectivo é pôr-me doente também. Descobri que sou mesmo tua "propridade", mas os meus amigos, definitivamente são meus, e a esses não tinhas o direito de invadir o que quer que fosse. E sabes bem disso! Mas isso contigo é chover no molhado!

Amigos as coisas ficam por aqui, declaro encerrada a sessão, infelizmente. O que a vida me reserva não sei, mas acho que a minha vida não passa mesmo por esta relação. Mas o futuro o dirá.

Beijinhos a todos!


sinto-me: fechada
tags:

publicado por soprodavoz às 10:45
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
|

Domingo, 23 de Março de 2008
tasse bem... ou pensamos que tasse...

Voltamos mais uma vez ao mesmo assunto, pois há coisas que têm de continuar a ser desabafadas. Não é o lavar de roupa suja que alguns acham que estamos a fazer. Esta é agora uma forma de comunicarmos, de transmitirmos o que sentimos, sem que para isso eu tenha de sentir vergonha das minhas palavras. Este é um meio de ele me conhecer, e de me sentir. Estranho não?! Não pensem que não conversamos, mas há coisas que temos de reaprender a dizer, ou mesmo aprender. E por aqui é mais fácil, é o ponto de partida para as podermos verbalizar. E sabem, se o nosso amor começou na internet, não sei porque não será possível reconstruí-lo pela mesma via.

Muitos de vocês não me têm reconhecido naquilo que escrevo. Talvez as piadas não sejam agora tão abundantes, ou a minha forma de ver as coisas seja diferente. Tem de ser diferente, a situação assim o exige. É complicado escrever sabendo que o gajo me lê, mas estou tentar abstrair-me da sua sombra, pois isso impede-me de dizer verdadeiramente o que sinto. e se queremos recomeçar sem mentiras é assim que será. Obviamente um assunto que vai deixar de aparecer por estas bandas será falar do "amor". Esse vai ter de ser recolhido, não apagado, porque há coisas que não se apagam. Mas percebem a lógica da coisa, né ! Tem de ser, temos de trabalhar em conjunto para enterrar o passado, e essa é a minha parte. Desculpa mas vai ter de ser. A partir de agora és passado!

Esta madrugada o G esteve a ler-me de fio a pavio no meu ex-blog, no Conversas da Existência. Tive de colocar todos os posts em aberto, ele assim mo pediu, e se vamos jogar limpo, eu assim o fiz. Sei que deveria ter escondido alguns post para não o magoar, mas... ele pediu que queria ler tudo. Sei que se riu e muito com alguns textos, a outros não achou piada nenhuma, obviamente. Até tive direito a um comentário apaixonado num post bem antigo, mas também foi o único. Porque será que o "namoro em balanço" foi assim tão importante para ele. Pois por ele já me ter lido toda, porque as coisas agora andam nestes termos, ele lê-me! Acho piada que comenta os vossos comentários, mas nunca comentou um post . Homens são mesmo estranhos. Gostam de inchar o peito quando é hora de defender a dama, de marcar território, mas mimar aqui a je com um comentário doce, nicles - se pensas que foi alguma indirecta enganas-te, foi mesmo directa! Sinceramente acho que este gajo agora ficou a conhecer-me demasiado bem, e ainda estou para perceber se isso é bom ou é mau.

Agora tenho mais um problema ligado a tudo isto, ele adora ler-me, quer que eu escreva um livro, mas da maneira como ele é, vou-me ver grega para lhe explicar a parte ficcional. Já lhe disse que podia escrever pelo menos três livros. Um sobre a nossa história de amor, outro sobre a errrrr ..... hummmmm .... cof cof .... uma história de amor de uns gajos que eu conheço... outro sobre as minhas aventuras no reino do G ;) mas sabem em nenhum dos lançamentos destes livros eu poderei convidar os intervenientes, principalmente no último. Convidar o gang para o lançamento de um livro sobre eles é capaz de ser bastante complicado.  Ou então melhor de tudo, junto as três histórias e crio uma novela.

E sabes, adorei saber que gostas de ler o que escrevo, que elogiaste o que eu escrevo, senti-me bem com tais palavras, pela primeira vez, que me lembro, disseste bem de uma coisa que eu faço. E estou-te grata por isso, eras a pessoa de quem eu realmente queria e precisava ouvir isso.

Tasse bem, pensamos que tasse, ou queremos que tasse, não é?!


sinto-me: comunicativa

publicado por soprodavoz às 23:47
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|

Sábado, 22 de Março de 2008
vergonha de mim
Estou a enfrentar momentos complicados de gestão de acontecimentos. Eu sei que a reconstrução não é fácil, mas acho que também não deve ser feita desta forma. Mas afinal que sei eu?! Não sei nada! Estou a ser tratada como uma miúda inconsequente, que fez asneiras e agora está a pagar por isso. Sim ele foi clemente, bondoso, atencioso e protector. Não me deixou abandonar o barco como era mais sensato, penso eu. Manteve-se ao meu lado, e até me disse que é de mim que gosta. A má da fita sou eu, sou eu a culpada. E eu sei que tenho as minhas culpas, e não as descarto, mas escusas de mas estar a lembrar a toda a hora. Penso que a reconstrução não deverá ser feita nessa base. Recomeçar, é apagar os erros que se cometeram. Fazer um reset e reiniciar o sistema. Não me massacres com o que te fiz ou deixei de fazer. Já me sinto suficientemente envergonhada, escusas de mo relembrar a toda a hora. Continuo a achar que este blog não te enxovalhou, mas...
O que sabes foi porque te deste ao trabalho de saberes, eu não sei, não me interessa, porque nunca me dei ao trabalho de querer saber. Vais continuar a jogar a nossa vida nesses termos?! Não sei se aguentarei muito tempo, mas como aqui alguém disse, já todos vimos para que lado tendem os pratos na balança… quem é que tem a faca e o queijo na mão… Eu quero que estejas comigo porque gostas de mim, e porque realmente pensas em perdoar. Se a tua ideia é realmente servires uma vingança bem fria daqui a uns tempos, eu realmente prefiro não saber. Mas, se assim for vamos reconstruir isto de forma diferente, de forma clara, com um jogo aberto. Porque se vamos continuar nestes termos, mais cedo ou mais tarde a coisa dá-se. E eu sei que serei sempre a má da fita, e tu o tipo 100%. Mas realmente isso já não me importa, já me chega a vergonha.
Ah e só mais uma coisa, vou continuar a escrever como se não me lesses atentamente. Vou ter um certo cuidado com o que digo, mas este continuará a ser o meu espaço. E sabes, tenho aguardado com paciência um comentário agradável teu a um post. E nada... achas que devo continuar à espera?!

sinto-me: envergonhada comigo

publicado por soprodavoz às 19:30
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|

duvidas

Não sei se esta é a opção mais correcta. Não sei se este será o caminho mais certo a tomar. Tive talvez a oportunidade única de me empurrar definitivamente para fora deste barco, e voltei atrás com a minha decisão. Estou cheia de duvidas. Completamente à nora. Neste momento sei que ele sabe toda a verdade acerca de mim. sabe que eu o trai com a pessoa que realmente amo. Sim, porque este homem é a pessoa que eu amo. Apesar de todos os contras que tem, apesar de por vezes se parecer em tudo com o meu G, na frieza de sentimentos que mostra ter. Realmente às vezes não sei o que pensar. Se realmente me ama, ou se o amor que eu declaro ter por ele o faz sentir apaixonado por mim, o faz sentir bem, lhe faz inchar o ego. Magoa-me o facto de no meio desta história toda ele em nenhum momento se ter mostrado preocupado comigo. Uma simples sms ou mail a dizer algo tipo "-linda, não te assustes, se precisares eu estou aqui", ou um amo-te tomes tu a atitude que tomares, era isto que eu queria ouvir. Talvez a sãozinha tenha razão quando diz, que os homens não gostam de mulheres, amantes com problemas, que nós só somos bonitas quando estamos felizes e airosas. Quero acreditar que este meu amor não é assim, mas agora já tenho as minhas reservas quanto à qualidade desse seu amor. Mas uma coisa é certa, esta ultima noite com ele foi maravilhosa, apesar de não ter havido nada mais para alem de beijos e abraços, mimos e conversas. Adorei cada minuto, e vou lembrar-me para sempre do cheiro, dos suspiros, das palavras e do seu sorriso.

Ppor amar tanto este homem/sonho, é que me deixa fortes duvidas relativamente à reconstrução que pretendo empreender. Porque reconstruir um amor que acabou, eu sei que acabou, sinto-o, não vai ser coisa fácil. Pode ser que consigamos, que as pedrinhas se voltem a erguer e fazer um muro que não deixe nada mais abalar. Mas estou com fortes duvidas.

Vou aproveitar este momento de paz e aparente harmonia para me reconstruir a mim mesma.  Conseguir organizar-me. O tempo dirá se eu estou a aceitar este amor por amor ou por necessidade. E o tempo dirá se foi uma boa ou má aposta. Por enquanto vou-me esforçar e acreditar que sim.



publicado por soprodavoz às 00:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim
.Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. continuo a soprar...

. não há limites

. fechado!

. tasse bem... ou pensamos ...

. vergonha de mim

. duvidas

. santas páscoas

. noticias do cativeiro

. reconstrução

. a culpada

.arquivos

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.fala comigo
.links
.pesquisar
 
.sopros online
   
blogs SAPO
.subscrever feeds